, ,

CICLO KINO-DOC LO-FI ROCK ‘N’ ROLL NA CENTRAL GERADOR

Em Novembro o KINO-DOC apresenta na Central Gerador o ciclo de cinema LO-FI ROCK ‘N’ ROLL, que culmina com um filme à tarde e festa à noite no último sábado do mês.

 

 

Lo-fi significa “low-fidelity”. A baixa fidelidade que é antípoda de “high-fidelity”.

Lo-fi Music é uma denominação que nasce nos anos 1980 associada à música caseira inspirada pelo “ethos” punk Do It Yourself. Esta música de “má qualidade” tantas vezes gravada no quarto durante os oitentas passou mais tarde a designar também gravações de bandas de garagem desde os anos 60. Por extensão fala-se em fotografia lo-fi, em cinema de ficção científica lo-fi (a “lo-fi sci-fi”), e menos em cinema lo-fi, de que se faz este ciclo.

Juntamos em cartaz filmes de imagem lo-fi unicamente acessíveis em gravações nos formatos amadores de antigamente. E se o termo lo-fi soa a música popular, com a mesma se constituiu este ciclo. Emblemáticas “imagens pobres” de rock ‘n’ roll, género que incorporou sobremaneira na sua iconografia a linguagem visual lo-fi.

 

Quinta-feira, dia 7, 21h

COCKSUCKER BLUES (1972), de Robert Frank

Documentário maldito da “tournée” dos Rolling Stones nos Estados Unidos em 1972. Realizado pelo histórico fotógrafo Robert Frank, pela forma sincera como captou a trindade profana de sexo, drogas e rock ‘n’ roll, foi proibido pela banda de Mick Jagger e Keith Richards, não valendo de muito o aviso inicial de um suposto registo ficcional fora números musicais… Quem iria acreditar?

Proscrita por uma ordem de tribunal, que ainda hoje vigora, a película foi anos mais tarde transcrita para vídeo e contrabandeada em cassete. É essa versão VHS que exibimos, numa cópia com melhor qualidade do que aquela que habitualmente circula.

 

Quinta-feira, dia 14, 21h

THE BLANK GENERATION (1976), de Amos Poe e Ivan Kral

THE CRAMPS, LIVE AT NAPA STATE MENTAL HOSPITAL (1978), de Joe Rees

Sessão dupla com duas obras míticas lo-fi dos anos 70.

“The Blank Generation” capta o Punk Rock e a No Wave que emergiam no lendário CBGB’s antes do Big Bang do punk inglês. Patti Smith, Talking Heads, Ramones, New York Dolls, Television ou Blondie são algumas das jovens figuras aqui cristalizadas num espaço-tempo que indicava coordenadas para a música do futuro.

“The Cramps, Live at Napa State Mental Hospital” é talvez o “bootleg” fílmico mais insólito da História. Com uma câmara de vídeo Sony Portapak filmou-se a admirável banda “psychobilly” num concerto dentro de um hospital psiquiátrico na Califórnia, à laia de experiência positiva com pacientes. O resultado foi a fuga de alguns deles e um documento único de “live music”, onde estão gravadas as inesquecíveis palavras de Lux Interior, vocalista dos Cramps, a propósito da sua audiência: “Somebody told me you people are crazy, but I’m not so sure about that. You seem to be all right to me.”

 

Quinta-feira, dia 21, 21h

ROCK MY RELIGION (1984), de Dan Graham

NO OTHER POSSIBILITY (1989), de Negativland

Dois filmes dos anos 80 desenvolvidos em vídeo analógico numa sessão dupla.

“Rock My Religion”, realizado pelo consagrado artista Dan Graham, evidencia as relações entre cultura rock e religião, auscultadas por Patti Smith, convocando o êxtase praticado por Jerry Lee Lewis ou o xamanismo de palco ritualizado por Jim Morrison.

“No Other Possibility”, da banda Negativland, reflecte a vivência e os dispositivos da televisão, ressaltando a entropia do médium, que atinge o seu zénite quando, a propósito de um caso mediático de um adolescente que havia assassinado a sua família, a banda lança o boato que tinha inspirado o crime com a sua música, fazendo-se notícia de telejornal.

 

Sábado, dia 30, 16h

LO-FI-ROCK-N-ROLL (2019), de Jorge de Carvalho

(seguido de festa lo-fi rock ‘n’ roll a partir das 19h)

Viagem ao longo da 2.ª metade do século passado, que foram por excelência os anos do rock ‘n’ roll, com VJing de Jorge de Carvalho. “Found footage” dos anos 50 de Sugar Chile Robinson na TV ou Elvis filmado em 8 mm até aos Jesus and Mary Chain no final dos 90s, já num gesto de citação da imagética lo-fi, passando por Jimi Hendrix, Velvet Underground, King Crimson, Can, Roxy Music, The Damned, Slits, Fugazi, Nirvana e tantos mais. Encontro com gravações antigas para televisão que ganharam o bolor do tempo, filmagens em formatos domésticos (Super 8, VHS, etc.), transcrições de película para vídeo, efeitos de sobreposição de imagem de vídeo analógico, “chroma keys” artesanais, et cetera.

 

Programação e texto: Jorge de Carvalho (KINO-DOC)

 

CENTRAL GERADOR

Largo das Conchas n.º 5 (entrada pela Rua Luís Pastor de Macedo), Lumiar. Junto a Metro Quinta das Conchas.

 

(fotografia de topo: Ray Manzarek filmado por Jim Morrison)